La Boquinha


agosto 17, 2010, 1:42 pm
Filed under: Sem-categoria

O projeto cinematográfico “Elza Soares – A Voz do Brasil”, de Elizabete Martins Campos, evoca Elza da Conceição Soares, atriz-personagem que surge de um desejo inesgotável de filmar e ser filmado. Arquétipo de um novo estilo de documentário, tem a narrativa construída não apenas por um modo de se contar uma história, mas por uma cumplicidade entre autor- personagem do aqui e agora: Elza se entrega à filmagem como uma experiência.

Nesta construção narrativa o conjunto corpo-fala-experiência garante a potência do diálogo entre-dois (ficção e real) do cinema,  capaz de produzir um efeito de verdade inegável. A história de sua personagem e seu envolvimento direto com a câmera fornece um novo objeto de conhecimento, percebido por um olhar atual, intimista, capaz de estabelecer relações da personagem com territórios imagéticos, universos culturais.

Por se tratar de uma mulher multiforme, que se caracteriza por não cristalizar conceitos, territórios ou época, o filme passa a considerar tais características na sua própria concepção estética e opção narrativa, gerando um esforço para que o corpo filmado se legitime como ideia.

Corpo filmado representa o sujeito Elza cujo canto e fala se desdobram no tempo real da tomada. Sua entrega à câmera gera uma libido pulsante: desejo de criar, cantar, falar, de jogar o jogo do plano sequência. Provoca e simultaneamente registra, realizando o Cinema como construção, assim como as muitas paisagens reveladas pela vida e o corpo (ferido, porém inoxidável).

“…Eu respiro música, como música, durmo música..”

A música conduz essa voz. A voz conduz a obra e se alia à busca por um dos elementos mais caros ao cinema: o ritmo. É genuína a relação de grandeza da obra com a pressão rítmica nela percebida. O ritmo potencializa nossa relação com a imagem, expandindo-a. A arte é natural desse universo humano profundo, como as águas meditativas de Lynch.

Se há em tudo a beleza da verdade aqui se opta por revelá-la mediante a voz e a força de Elza Soares.

Anúncios